Psicologia das Cores: Cinza

Spread the love

Apesar de não ser algo material as cores são de extrema importância em nossas vidas. Elas nos permitem identificar objetos, saber quando algo está bom para ser ingerido e nos avisam do perigo. 

Elas também transmitem sensações e significados, sendo o estudo da psicologia das cores muito usado nas área de design, propaganda e nas artes. Nesse post iremos falar sobre o cinza. 

Se você tem curiosidade sobre a teoria das cores, como combiná-las e como escolher uma paleta ideal, clique aqui e leia nosso post sobre o tema. 

Cinza aço, cinza basalto, cinza novembro e cinza tempestade são alguns dos 65 tons diferentes de cinza que existem. O cinza não é uma cor muito apreciada e assim como o marrom quanto mais envelhecemos menos gostamos dela. 

O cinza é vago, é uma cor sem caráter, não é quente nem frio. Ele é o branco sujo, o preto enfraquecido. Com o cinza se combina qualquer cor, ele é conformista.  Essa é a cor de todos os sentimentos sombrios, dias cinzentos são aqueles tristes, sem alegria. Os tons opostos ao cinza psicologicamente são o amarelo e o laranja, cores da luz e da alegria de viver. O cinza é o entediante, o chato, o vazio e a solidão.

Quando o sol não aparece o dia fica cinzento, a tempestade é cinza, a névoa e as sombras são cinzas. Essa é a cor do feio, do inamistoso, do hostil. Ao cinza também lhe cabe o significado de insensibilidade e indiferença.

“Nossa massa cinzenta” ou nossas ‘células cinzentas” são maneiras de se referir ao cérebro, as publicações altamente especializadas são chamadas de literaturas cinza. O cinza pode ser reflexão e teoria. A combinação azul-branco-cinza é o acorde da ciência e da objetividade.

Diversos animais noturnos são cinzentos, se camuflando na noite, ficando escondidos, secretos. Você já deve ter ouvido a expressão ‘nem tudo é preto no branco’ (certo ou errado), existe uma ‘zona cinzenta’ uma área em que não se sabe onde o permitido e o proibido se encontram.

O cinza também é a cor da velhice, quando envelhecemos nossos cabelos ficam grisalhos, um símbolo da idade, do passado e do esquecimento. 

O cinza absorve a sujeira, essa era a cor da roupas dos pobres e humildes. Cinderella, a Gata Borralheira, vestia-se de cinza. Os órfãos vestiam-se de cinza. 

No Século XIX moda feminina vinha de Paris, a moda masculina da Inglaterra. A vestimenta da era vitoriana permaneceu por muito tempo constituindo-se de um terno conservador, cinza e prático. 

No design de interiores o cinza vem ganhando destaque e sendo considerado uma cor moderna e elegante, ela é uma cor certeira para quem não quer arriscar, uma cor que não chama a atenção sendo ótima para pano de fundo. Não é recomendado pintar de cinza quartos infantis ou lugares que necessitam o desenvolvimento de criatividade.  

Não deixe de ler nossos outros posts sobre a psicologia das cores!

 

 

Fonte:

Esse post foi escrito tendo como base o livro A Psicologia das Cores: como as cores afetam a emoção e a razão de Eva Heller.


Spread the love

Deixe uma resposta

Fechar Menu